terça-feira, 27 de agosto de 2013

Fenaban enrola mais uma vez e adia apresentação de proposta

Os bancos mantiveram a postura intransigente e mais uma vez não apresentaram nenhuma proposta às reivindicações dos trabalhadores, durante a terceira rodada de negociações da Campanha Salarial 2013 encerrada nesta terça-feira (27/8), em São Paulo. No encontro, dedicado a discutir remuneração, a Fenaban prometeu que fará uma proposta global na próxima reunião, que acontece no dia 5 de setembro.
 
A postura frustrou a expectativa dos bancários, que continuam aguardando uma resposta dos patrões à pauta de reivindicação entregue no início do mês. A estratégia de tentar cansar a categoria, já é velha conhecida dos trabalhadores, que respondem com o aumento da mobilização, através de manifestações diárias nas agências em todo o país.

Após participar do encontro com os bancos em São Paulo, o presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Emanoel Souza, convoca os sindicatos dos dois estados a manterem a mobilização, preparando a categoria e a população para a possibilidade de uma greve nacional, caso os patrões insistam em desrespeitar a categoria, com o silencio ou com uma proposta rebaixada à pauta de reivindicação.
 
No segundo dia de negociação sobre remuneração, o Comando e a Fenaban discutiram nesta terça-feira PLR e os auxílios refeição, creche, cesta-alimentação e educacional, dentre outras demandas. Confira os principais pontos discutidos:
 
PLR
A reivindicação dos bancários é de PLR equivalente a três salários mais valor fixo de R$ 5.553,12 e que não pode ser compensado nos planos próprios de remuneração variável.
O Comando argumentou que a cada ano diminui a massa salarial dos bancários e, como há falta de transparência nos balanços dos bancos, a categoria quer mudar a regra de forma a torná-la mais simples e fácil de compreensão.
 
Os dirigentes sindicais frisaram que os bancários querem maior percentual de distribuição da PLR, mais próximo do tamanho do lucro das empresas, e elevação dos tetos que limitam os valores a serem distribuídos. E cobraram dos bancos uma discussão séria sobre os PDDs, as provisões para devedores duvidosos, cujos montantes os bancos vêm aumentando sem justificativa técnica, o que diminui a PLR. Com essas provisões, só os trabalhadores perdem.
 
Os representantes dos bancos descartaram a possibilidade de mudança de regra da PLR durante esta campanha nacional.
 
Auxílios-refeição, cesta-alimentação e creche/babá
A reivindicação dos bancários é aumentar os auxílios-refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta e auxílio creche/babá para R$ 678,00, equivalente ao salário mínimo nacional.
 
Os representantes da Fenaban afirmaram que nos últimos anos reajustaram os auxílios acima da inflação e descartaram a elevação dos valores como querem os trabalhadores.
 
Gratificação semestral
Os bancários reivindicam o pagamento de uma gratificação semestral de 1,5 salário para todos os trabalhadores nos meses de janeiro e julho. Alguns estados (RS, BA, PB e SE) e bancos em outros estados já pagam essa verba salarial há muitos anos, no valor de um salário.
 
A Fenaban, porém, negou a reivindicação, afirmando não haver sentido existir simultaneamente PLR e gratificação semestral, deixando claro que quer acabar com essa verba. Os dirigentes sindicais rebateram, dizendo que se trata de uma forma de valorização do trabalho dos bancários.
 
Auxílio educacional
O Comando reivindicou o pagamento de um auxílio educacional por todos os bancos, para empregados que estejam cursando ensino médio, graduação e pós-graduação. Várias instituições já concedem bolsas de estudo.
 
Os representantes da Fenaban negaram, alegando que o assunto deve ser discutido banco a banco. Os dirigentes sindicais insistiram na concessão do auxílio, pois significa qualificação da mão de obra, favorecendo bancários e bancos.
 
Previdência complementar
Os bancários reivindicam que todos os bancos instituam e patrocinem planos de previdência complementar fechados para todos os trabalhadores, com o objetivo de garantir a complementação de aposentadoria e pensão por morte e invalidez. Vários bancos já são patrocinadores de fundos para os seus funcionários.
 
Os representantes dos banqueiros, no entanto, disseram que esse é um tema para discussão banco a banco, como acontece com os planos de saúde, não sendo pauta da Convenção Coletiva.
 
 

Nenhum comentário:

Mais vistos

Arquivo

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO