terça-feira, 8 de outubro de 2013

Por propostas decentes, greve continua

Após mais de um mês, sendo 20 dias de greve dos bancários, a Fenaban rompeu o silêncio e se reuniu com o Comando Nacional da categoria. No entanto, em vez de oferecer uma proposta que atendesse às justas reivindicações dos trabalhadores , os banqueiros frustraram mais uma vez as expectativas. Da mesma forma, nos bancos públicos, o governo ainda opta por ignorar os interesses dos bancários.

É nítido que os bancos podem, e devem, atender aos bancários. Oferecer uma proposta aceitável, especialmente com uma das maiores greves dos últimos anos, é o mínimo esperado.

A pressão da greve precisa fazer com que a Fenaban apresente uma proposta global, contemplando itens econômicos e sociais como o piso salarial com referência no Dieese (R$2.860); fim das demissões e do assédio moral; reajuste de 11,93%; o vale-cultura; a PLR justa; entre outros, além de mudanças na cláusula de compensação dos dias parados, apontando para seu abono integral.

Nas mesas específicas, o governo, para solucionar o impasse, precisa apresentar proposta que contemple questões como a isonomia; o ATS (anuênio); mais contratações; fim do banco de horas; PCR, etc.

Os bancários estão dispostos a negociar, mas também já demonstraram, nessa greve, capacidade de lutar por seus interesses. Quem produz os lucros recordes do sistema financeiro são os bancários, com seu trabalho.

Na última segunda-feira (07/10), em assembleias por todo o Brasil, os bancários rejeitaram a proposta patronal e decidiram manter a greve, unificadamente.

Enquanto não forem apresentadas propostas decentes, a greve continua.

Bancários Classistas
Ramo Financeiro da CTB 

Nenhum comentário:

Mais vistos

Arquivo

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO