sábado, 2 de julho de 2016

TESE DA CTB ao 32º CONECEF - Organização do Movimento (final)

32° CONGRESSO NACIONAL DOS EMPREGADOS DA CAIXA (CONECEF)

TESE DA CTB- CENTRAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO BRASIL


Organização do movimento

Para enfrentar os inúmeros desafios que estão postos, os trabalhadores precisam aperfeiçoar seus instrumentos de luta, em especial no que tange à organização do movimento. Faz-se necessária uma verdadeira chacoalhada na organização do movimento dos empregados da Caixa, a fim de permitir maior envolvimento da base nos rumos a serem tomados pelo movimento sindical.

Dessa forma, propomos a mudança nos critérios de eleição da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa. Acreditamos que, com vistas a respeitar a pluralidade de ideias no seio do movimento, aproximando a CEE do conjunto dos empregados, ela deve ser eleita no CONECEF através de chapas obedecendo ao critério proporcional. A CEE não deve estar atrelada a nenhuma Central Sindical, ela pertence a todos os empregados.

O CONECEF, importante instrumento de organização da luta na Caixa, precisa ser revigorado, transformando-se no espaço de definição da Campanha Específica. Entendemos que não podemos criar subterfúgios para esvaziar o papel político e histórico do CONECEF para a campanha salarial, sob o pretexto de que só podemos definir isto no âmbito da Conferência Nacional dos Bancários. Muito pelo contrário é importante expandirmos a participação dos empregados no CONECEF agregando-os também a todas as lutas em defesa dos nosso direitos e da Caixa 100% pública.

Outro aspecto a ser ressaltado refere-se à valorização das atribuições dos delegados sindicais e cipeiros, no intuito de fortalecer a organização no local de trabalho.


Campanha salarial 2016
Com base no cenário apresentado entendemos que devemos buscar avanços e ao mesmo tempo é essencial assegurar a manutenção das conquistas alcançadas.

Nós da CTB defendemos que nesta campanha salarial o foco que unifica todos os bancários é a elevação do Piso Profissional ao patamar do salário mínimo do DIEESE e um substancioso Aumento Real dos Salários. Além, obviamente, dos demais eixos que norteiam as campanhas salariais dos últimos anos.

Contudo, diante da avaliação apresentada acima, entendemos que precisamos avançar em cláusulas que inibam o massacre e o assédio, aos quais a categoria está submetida diariamente. Assim, questões como: Mais contratações; Mecanismos que inibam a retirada arbitrária de função; Mecanismos que garantam o respeito à jornada.

Avanços nas questões de saúde, segurança e condições de trabalho, bem como no fim às perseguições os contra colegas do REG/Replan, também ganham relevo.

Delegados de Chapecó no 32º CONECEF
FUNCEF

 O fundo de previdência é patrimônio dos empregados e todo cuidado é pouco quando discutimos o assunto. Não devemos fazer vista grossa para os problemas como também não devemos fazer coro aos que pretendem fazer uso político de tais problemas.

A questão do déficit deve ser apurada de maneira responsável, e se houver provas de mau-versação, corrupção etc, que os culpados sejam punidos. O que não podemos é culpar sem o devido processo legal.

Um dos problemas financeiros já apontados no passado é o não aporte da Caixa no tocante às ações de CTVA, sétima e oitava horas e outros temas. A Funcef não pode arcar sozinha com um problema criado pela patrocinadora.



Mas o déficit não é o único problema da Fundação. Há anos defendemos uma maior democratização para ampliar a participação dos empregados da Caixa nas instâncias da Funcef. Não basta eleger metade da diretoria passando um cheque em branco aos eleitos. As últimas eleições demonstram que isso foi feito, situação em que os empregados acreditaram em salvadores da pátria que ainda não disseram a que vieram.

Além da democratização, precisamos ampliar os mecanismos de controle e de governança, garantindo mais transparência. Os associados devem saber o que acontece na Fundação.

Eixos da campanha na Caixa
Apresentamos nossa proposta de eixos para a Campanha. A definição de eixos tem por objetivo não a eliminação de outras propostas que, porventura, devam estar em nossa minuta, mas sim tem o condão de realçar determinados aspectos que consideramos prioritários no enfrentamento com a empresa.

a) Isonomia, extensão aos empregados pós-98 já! dos seguintes direitos:
- Adicional por Tempo de Serviço - ATS - rubrica 007;
- LICENÇA-PRÊMIO;
b) Avanços no novo PCS:
- Enquadramento dos Auxiliares de Serviços Gerais, pois desempenham o mesmo trabalho dos empregados da carreira administrativa;
- Possibilidade de migração dos que estão no REG/REPLAN para o novo PCS e PFG incluindo o respectivo reflexo para os que estão aposentados em respeito à paridade;
- Concessão de 1 delta a cada 2 anos pelo período em que não houve promoção por merecimento nos PCS 89 e 98.
- Contra o ranqueamento de colegas: Delta para todos que alcançarem desempenho satisfatório
c) Elevação do piso salarial, tendo como referência o salário mínimo do DIEESE (R$ 2.900,00)
- Reposição das perdas salariais a partir dos anos 90.
- Revisão do valor das diárias, bem como adiantamento integral das despesas para os empregados que necessitam viajar.
d) Reversão das perdas de funções decorrentes da reestruturação e que nenhuma das ondas do processo seja continuada sem a apresentação do projeto completo e negociação das questões que interferem na vida dos empregados.
e) Reposição dos empregados que saíram nos últimos Planos de Apoio à Aposentadoria, mais contratações, ampliando a LAP (Lotação Autorizada de Pessoal) e combatendo a utilização ilegal do estagiário com tarefas exclusivas de empregado, fazendo cumprir a lei do estágio.
f) Fim do GDP.
g) Tíquete-alimentação para os aposentados.
h) Reabertura dos PSIs e Melhorias no novo PFG com atenção:
-Incorporação do CTVA como parcela salarial para todos os efeitos;
Jornada de 6 horas para todos sem redução salarial;
- rediscutir as atribuições do Supervisor de Atendimento e outros cargos que estão acumulando atribuições de maneira exagerada, sem a correspondente valorização.
-Aumento do valor das funções.
h) Fim do banco de horas
i) PLR linear para todos os empregados, com distribuição de 25% do lucro liquido.
j) Vale Cultura de R$ 100,00 para todos.
k) FUNCEF
- Resolução das pendências das mulheres pré 78;
- Mudança do método do custeio do REG/Replan não saldado;
- garantir a transferência do REB para o novo plano, a partir de opção individual dos participantes, sem qualquer condicionamento ou pressão por parte da Caixa;
- Solução negociada para compensar as perdas do “efeito gangorra” para os oriundos do REG/Replan;
- Aporte exclusivo da Caixa para garantir os custos decorrentes do atual equacionamento;
- Fim do voto de minerva;
- Cobrar da Caixa o aporte de recursos para o provisionamento relacionado às ações judiciais trabalhistas em que deu causa;
l) Valorização do dirigente sindical e ampliação do número de liberados.

Nenhum comentário:

Mais vistos

Arquivo

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO